n

Palestrantes: gerente de projeto da Secretaria de Gestão do Trabalho, Educação e Saúde do Ministério da Saúde, Jerzey Timóteo, diretor geral da FEAES, Gustavo Schulz. Debatedora: assessora jurídica da SGTES-MS, Janaína Pontes.

n

Jerzey Timóteo- O modelo de gestão dos serviços do SUS tem um desafio muito complexo, para atender com qualidade a demanda de 250 milhões de habitantes, em 240 municípios do Brasil. Temos avançado muito! O País é o quinto em acidentes de trânsito, por isso a necessidade em ampliar a traumato dos hospitais públicos.

n

Gustavo Schulz – Com a Fundação de Curitiba, ampliamos o número de CAPs e passamos de 80 para 4.000 internações ano. 

n

Nosso desafio é garantir a sustentação financeira das fundações. Não é terceirização, nem precarização das condições de trabalho, as fundações públicas de direito privado são a contramão do projeto neoliberal de privatização dos serviços. Nosso modelo é totalmente estatal, ajudando a administração pública na gestão de serviços do SUS.

n

Janaína Pontes – Precisamos estar preparados para fazer a defesa das Fundações mediante aos órgãos de controle. A Fundação Pública de Direito Privado faz parte do SUS, é um modelo institucional do SUS, não é uma precarização dos serviços. Somos um modelo do SUS para fazer gestão dos serviços de saúde.

n

Esse debate encerrou a programação da manhã de 14 de agosto. O evento termina à tarde, com a discussão sobre o marco regulatório.

n

Assessoria de Comunicação da FHGV – Simone M. Ramos, jornalista, Mtb 8584 | apoio:  Taís Soares (Estagiária)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>